BLEFAROPLASTIA (cirurgia das pálpebras)

Com a idade, as estruturas palpebrais vão tornando-se flácidas. Isso gera protrusão das bolsas de gordura palpebrais e dobras, causadas pelo excesso de pele nessa região, e traz um ar de cansaço para a face. Além de ter custos mais competitivos que a maioria dos demais procedimentos cirúrgicos, a cirurgia plástica das pálpebras tem sido buscada por um número crescente de pacientes por atender ao desejo de melhora estética, ser de execução relativamente simples e rápida e apresentar recuperação em curto espaço de tempo. As perguntas mais comuns quanto a essa cirurgia são:

Front portrait of beautiful young woman with beautiful blue eyes and face - on white background

1. EXISTE UMA IDADE IDEAL PARA OPERAR AS PÁLPEBRAS?
2. AS CICATRIZES SÃO VISÍVEIS? ONDE SE LOCALIZAM?
3. QUAL O TIPO DE ANESTESIA?
4. HÁ DOR NO PÓS-OPERATÓRIO?
5. OS OLHOS FICAM MUITO INCHADOS? POR QUANTO TEMPO?
6. QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO?
7. QUANTO TEMPO DURA A CIRURGIA?
8. O QUE SÃO AS “MANCHAS ROXAS” OBSERVADAS EM CERTOS CASOS?
9. QUANDO ATINGIREI O RESULTADO DEFINITIVO?
10. OS OLHOS FICARÃO OCLUÍDOS APÓS A CIRURGIA?
11. AFINAL, O RESULTADO COMPENSA?
12. RECOMENDAÇÕES SOBRE A BLEFAROPLASTIA.

1. EXISTE UMA IDADE IDEAL PARA OPERAR AS PÁLPEBRAS?
Não existe uma idade ideal, mas, sim, a oportunidade ideal. Essa oportunidade é determinada pela presença do defeito a ser corrigido e pode ocorrer em qualquer idade.

2. AS CICATRIZES SÃO VISÍVEIS? ONDE SE LOCALIZAM?
Sendo a pele das pálpebras de espessura muito fina, as cicatrizes tendem a ficar praticamente disfarçadas nos sulcos da pele. Para tanto, deve ser aguardado o período de maturação da cicatriz (três meses). Pela sua localização, as cicatrizes são passíveis de serem disfarçadas com uma maquiagem leve desde os primeiros dias. Os pontos são retirados por volta do sexto dia.

3. QUAL O TIPO DE ANESTESIA?
Pela extensão da cirurgia e boa qualidade dos anestésicos, a maioria das operações é realizada sob anestesia local com sedação. Raramente são feitas sob anestesia geral. Reservamos essa última conduta para os casos em que a blefaroplastia seja feita simultaneamente a outras cirurgias.

4. HÁ DOR NO PÓS-OPERATÓRIO?
Geralmente não. Mesmo que ocorra uma sensibilidade maior ou pequenos surtos de dor, esses poderão ser perfeitamente abolidos com o uso de analgésicos comuns.

5. OS OLHOS FICAM MUITO INCHADOS? POR QUANTO TEMPO?
O edema (inchaço) dos olhos varia de paciente para paciente. Existem aqueles que já no quarto ou quinto dia apresentam um aspecto bastante natural; outros atingem esse resultado após o oitavo dia. Mesmo assim, os três primeiros dias do pós-operatório são aqueles em que existe maior “inchaço” das pálpebras. O uso de óculos escuros poderá ser útil nessa fase, assim como a utilização de compressas frias para diminuir a intensidade do edema. Somente após o terceiro mês é que poderemos dizer que o edema residual é discreto e não compromete o resultado final.

6. QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO?
Anestesia local: de duas a seis horas.

7. QUANTO TEMPO DURA A CIRURGIA?
Normalmente, em torno de 90 minutos. Dependendo do caso, existem detalhes que podem prolongar esse tempo. Mesmo assim, raramente é ultrapassado 50% do tempo básico previsto.

8. O QUE SÃO AS “MANCHAS ROXAS” OBSERVADAS EM CERTOS CASOS?
Nada mais são do que a infiltração do sangue na pele subjacente ou mesmo na conjuntiva ocular; são devidas ao próprio trauma cirúrgico. Isso, entretanto, não constitui qualquer problema futuro e não é considerado uma complicação, mas, sim, uma intercorrência transitória e reversível.

9. QUANDO ATINGIREI O RESULTADO DEFINITIVO?
Após o terceiro mês. Entretanto, logo após o oitavo dia, já teremos aproximadamente 25% do resultado almejado, sendo que nas duas ou três semanas subsequentes esse percentual tende a melhorar acentuadamente.

10. OS OLHOS FICARÃO OCLUÍDOS APÓS A CIRURGIA?
Não obrigatoriamente. Somente recomendamos a colocação de compressas frias por alguns minutos – várias vezes ao dia –, ato esse controlado pelo próprio paciente, como profilaxia do edema acentuado.

11. AFINAL, O RESULTADO COMPENSA?
Sem dúvida, compensa – se você está ciente do que deseja e o cirurgião puder lhe propiciar aquilo que você pediu. Entretanto, é importante levar em consideração o fato de que a cirurgia das pálpebras não proporciona rejuvenescimento geral à face quando executada isoladamente. Muitos pacientes esperam esse resultado (rejuvenescimento) apenas com a blefaroplastia. O cirurgião plástico somente melhora esse território prejudicado pelos defeitos estéticos pré-existentes; o rejuvenescimento da face implica em outras condutas associadas à blefaroplastia. Os “pés de galinha”, mesmo que devidamente operados, nunca desaparecerão. Fica ainda o estigma, devido à ação do músculo orbicular e à perda da elasticidade da pele remanescente.

12. RECOMENDAÇÕES SOBRE A BLEFAROPLASTIA.

RECOMENDAÇÕES PRÉ-OPERATÓRIAS:
1. Comparecer ao local da cirurgia (hospital, clínica) uma hora antes do horário agendado para o procedimento;
2. Comunicar qualquer anormalidade que possa lhe ocorrer quanto ao seu estado geral até a véspera da internação;
3. Não fazer maquiagem no dia da internação;
4. Levar óculos escuros;
5. Se a anestesia combinada for local, tomar café da manhã normalmente. Em caso de sedação, manter-se em jejum por seis horas antes do procedimento;
6. Tenha alguém para buscá-lo(a) após a cirurgia.

RECOMENDAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS:
1. Aplicar compressas frias com soro fisiológico (gaze embebido) de quatro a seis vezes ao dia (durante 30 minutos), nos dois primeiros dias;
2. Alimentação livre;
3. Usar óculos escuros quando se expor à luz natural;
4. Evitar exposição ao sol por duas semanas;
5. Obedecer à prescrição médica;
6. Voltar ao consultório para curativo e revisão nos dias estipulados;
7. Consultar estas instruções tantas vezes quanto necessário;
8. Não traumatizar nem “coçar” os olhos;
9. Você poderá voltar às suas atividades normais após três dias.

Observação importante: Por determinação expressa em Resolução do Conselho Federal de Medicina e ainda pelo Regimento Interno da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, fica PROIBIDA a apresentação de casos com fotografias de pacientes em pré e pós-operatório, independentemente de se poder identificar a pessoa ou não, mesmo que haja a autorização expressa das mesmas. Justificamos, portanto, a não apresentação de tais imagens, e acreditamos que a maior compreensão dos possíveis resultados somente poderá ser atingida durante a consulta médica.