LIPOASPIRAÇÃO

A Lipoaspiração é, sem dúvida, uma das cirurgias estéticas mais realizadas em todo o mundo. Seu princípio baseia-se na introdução, através de pequenas incisões na pele, de cânulas finas até o interior da camada gordurosa subcutânea. Essas cânulas são ocas e possuem orifícios em suas pontas, o que permite que a gordura seja “sugada” pela pressão negativa aplicada em movimentos de vai e vem.

A “Lipo”, como é chamada no meio leigo, poderá ser um excelente aliado na busca por um contorno corporal mais adequado. Vamos abordar alguns fatores importantes para quem está pensando em se submeter a essa cirurgia.

Algumas perguntas frequentes:

A gorgeous young woman posing in a white bikini

1. QUAL A IDADE CORRETA E QUEM É O PACIENTE IDEAL PARA UMA LIPOASPIRAÇÃO?
2. AS CICATRIZES SÃO VISÍVEIS? ONDE SE LOCALIZAM?
3. QUAL O TEMPO CIRÚRGICO E O TIPO DE ANESTESIA?
4. O QUE ACONTECE NO PERÍODO PÓS-OPERATÓRIO?
5. QUAL O TEMPO DE INTERNAÇÃO E QUE TIPO DE CURATIVO É REALIZADO?
6. QUAIS OS RISCOS DESTA CIRURGIA?
7. QUANTO DE GORDURA PODEREI PERDER E COMO FICARÁ A MINHA PELE?
8. A LIPOASPIRAÇÃO CORRIGE A CELULITE?
9. QUAL A DIFERENÇA ENTRE LIPOASPIRAÇÃO E LIPOESCULTURA?
10. AFINAL, O RESULTADO COMPENSA?
11. ALGUMAS RECOMENDAÇÕES PARA A LIPOASPIRAÇÃO.

1. QUAL A IDADE CORRETA E QUEM É O PACIENTE IDEAL PARA UMA LIPOASPIRAÇÃO?
Não existe uma idade correta, mas, sim, a oportunidade ideal, que é determinada pelo aparecimento do defeito a ser corrigido, desde que haja condições clínicas favoráveis. A lipoaspiração visa retirar o que chamamos de gordura localizada, ou seja, aquela camada de células mais profundas que não se modificam consideravelmente com a perda ou o ganho de peso. Normalmente, as áreas acometidas envolvem as coxas e o tronco, embora outras regiões possam também apresentar acúmulos localizados. Assim, o paciente ideal será aquele que se encontra numa relação de normalidade entre peso e altura (já que não se pretende emagrecer com a cirurgia), e apresenta acúmulos gordurosos localizados com boa elasticidade da pele. Uma vez que a deposição de gordura na formação do contorno corporal deverá acontecer durante a adolescência, desaconselhamos cirurgias em pacientes menores de 15 ou 16 anos.

2. AS CICATRIZES SÃO VISÍVEIS? ONDE SE LOCALIZAM?
As cicatrizes são bastante pequenas (2 a 5 milímetros) e estarão localizadas em torno das áreas a serem tratadas. Várias pequenas incisões serão necessárias para que se possa ter um amplo acesso ao tecido adiposo em diferentes sentidos cardeais. Todos os cuidados serão tomados para que essas incisões sejam posicionadas em locais menos visíveis e se tornem linhas discretas, praticamente imperceptíveis, com o passar do tempo.

3. QUAL O TEMPO CIRÚRGICO E O TIPO DE ANESTESIA?
Todo o procedimento leva em torno de duas a três horas, dependendo do volume e extensão das áreas a serem tratadas. Na maioria dos casos, é realizado sob anestesia peridural, com uma sedação prévia realizada pelo anestesiologista. Nas intervenções menores, a anestesia local com sedação pode ser empregada com sucesso. A anestesia geral fica reservada para casos selecionados em que é realizada algum tipo de associação com outras cirurgias.

4. O QUE ACONTECE NO PERÍODO PÓS-OPERATÓRIO?
Os pacientes geralmente se queixam de certo dolorimento ao toque nos primeiros dias, sendo esse quesito passível de ampla variação, uma vez que o limiar de dor pode variar significativamente de uma pessoa para outra. Caso exista algum desconforto maior, as medicações convencionais serão suficientes para resolver o problema, sempre com o devido conhecimento e prescrição do médico.

O inchaço costuma ser intenso nos primeiros quinze dias, quando o repouso relativo é fundamental. Manchas vermelhas ou arroxeadas costumam se instalar ao redor das áreas operadas, em geral persistindo por uma a duas semanas. Os pontos são retirados entre o quinto e o oitavo dia, e a melhora do edema deverá acontecer até o primeiro mês, após o qual haverá ainda um inchaço residual com áreas de irregularidade e endurecimento local, que poderá persistir por alguns meses, sem impedir que o paciente exerça as suas atividades sociais cotidianas. Técnicas de massageamento e ultrassom externo poderão ser úteis nessa recuperação pós-operatória. Os esforços físicos devem ser evitados no período inicial, bem como a exposição ao sol. Os resultados somente poderão ser considerados definitivos depois de seis a nove meses e, até lá, você deverá ter paciência e aguardar a completa recuperação do processo inflamatório.

5. QUAL O TEMPO DE INTERNAÇÃO E QUE TIPO DE CURATIVO É REALIZADO?
O paciente costuma receber alta no mesmo dia, ao fim da tarde. Durante a primeira semana, os pacientes ficam com um curativo de micropore associado a compressão externa por malha pós-cirúrgica de lycra. A utilização dessa malha deverá se estender pelos dois meses subsequentes. Esse curativo tem por objetivo manter em repouso a área operada, com uma discreta compressão sem traumatismo ou manipulação, possibilitando uma cicatrização mais rápida e tranquila.

6. QUAIS OS RISCOS DESTA CIRURGIA?
A lipoaspiração encerra todos os possíveis riscos de qualquer procedimento médico invasivo. Todos os cuidados deverão ser tomados no sentido de minimizá-los através de uma adequada avaliação pré-operatória e uma programação cirúrgica cautelosa, orientada por profissionais legal e eticamente capacitados. Os limites de segurança na lipoaspiração têm sido amplamente discutidos e foram alvos de uma resolução específica do Conselho Federal de Medicina, que regulamenta a sua execução no Brasil. Você deverá discutir esses aspectos durante a consulta para, com seu médico, estabelecer as prioridades de um programa adequado para o seu caso.

7. QUANTO DE GORDURA PODEREI PERDER E COMO FICARÁ A MINHA PELE?
Muitos centros de pesquisa ao redor do mundo estão procurando elucidar a quantidade máxima de gordura a ser lipoaspirada dentro dos limites de segurança. Embora ainda não exista um consenso absoluto na comunidade científica mundial, o volume total aspirado não deve ultrapassar de 5% a 7% do peso do paciente ou, ainda, ultrapassar a extensão máxima de 40% da área corporal total. Embora exista uma tendência de retração cutânea após a lipoaspiração, sabe-se que quanto mais gordura for aspirada, maior será a tendência de flacidez residual. Isso está também relacionado à idade do paciente, bem como, à condição prévia de sua pele. Você deverá discutir as suas possibilidades durante a consulta, pois em alguns casos poderão ser utilizados cuidados mais ou menos invasivos para corrigir ou amenizar a flacidez cutânea.

8. A LIPOASPIRAÇÃO CORRIGE A CELULITE?
Não. O aspecto inestético da celulite está relacionado ao déficit do metabolismo da camada superficial de gordura, e não da gordura localizada (profunda). Para correção dessa deformidade, serão necessárias outras medidas que envolvem o massageamento do tecido, uma dieta especial e exercícios físicos.

9. QUAL A DIFERENÇA ENTRE LIPOASPIRAÇÃO E LIPOESCULTURA?
Lipoescultura é conhecida como o ato cirúrgico de retirar gordura de algum lugar (lipoaspiração) e, em seguida, injetá-la em outras áreas (lipoenxertia). Embora possam existir depressões ou falhas anatômicas que se beneficiam com a injeção de alguma gordura lipoaspirada, esse procedimento tem limites e não deve ser encarado com uma mágica de “tira daqui e põe ali”. Não deixe de discutir suas possibilidades durante a sua consulta.

10. AFINAL, O RESULTADO COMPENSA?
Sem dúvida, compensa – se você está ciente do que deseja e o cirurgião puder lhe propiciar aquilo que você pediu. Lembre-se de que a lipoaspiração não foi feita para emagrecer ninguém. Já seu contorno corporal poderá ser extremamente harmonizado pela cirurgia, e as suas roupas, bem como as fotografias de pré e pós-operatório, poderão comprovar os resultados. Entretanto, é importante levar em consideração o fato de que a lipoaspiração não é uma solução milagrosa e livre de complicações. Procure estar muito bem informado(a) sobre todos os aspectos antes de se decidir por uma cirurgia.

11. ALGUMAS RECOMENDAÇÕES PARA A LIPOASPIRAÇÃO.

PRÉ-OPERATÓRIO:
1. Comparecer à clinica no horário previsto na sua guia de internação, em jejum de 8 horas;
2. Comunicar qualquer anormalidade que possa lhe ocorrer quanto ao seu estado geral até a véspera da internação;
3. Realizar a raspagem de pêlos, se solicitada pelo médico;
4. Evitar uso de medicações sem o conhecimento e consentimento de seu médico;
5. Venha acompanhado(a) para a internação e saiba que não poderá retornar para sua casa dirigindo.

PÓS-OPERATÓRIO:
1. Repousar adequadamente nos primeiros dias, o que deverá reduzir o edema e o risco de hematomas;
2. Alimentação leve no dia da cirurgia e livre a partir do dia seguinte. Líquidos à vontade, carnes, leite e ovos (proteínas) são recomendados, assim como vitaminas de frutas;
3. Evitar sol, vento e friagem nos primeiros dias;
4. Obedecer à prescrição médica;
5. Voltar ao consultório para curativo e revisão nos dias estipulados;
6. Usar a malha compressiva conforme orientação médica;
7. Dependendo de sua evolução pós-operatória, você poderá voltar às suas atividades normais após alguns dias.

Observação importante: Por determinação expressa em Resolução do Conselho Federal de Medicina e ainda pelo Regimento Interno da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, fica PROIBIDA a apresentação de casos com fotografias de pacientes em pré e pós-operatório, independentemente de se poder identificar a pessoa ou não, mesmo que haja a autorização expressa das mesmas. Justificamos, portanto, a não apresentação de tais imagens, e acreditamos que a maior compreensão dos possíveis resultados somente poderá ser atingida durante a consulta médica.