• Paulo Mendes

Mamoplastia Redutora (diminuição/levantamento das mamas)

Atualizado: Out 20

É uma das mais comuns entre as cirurgias estéticas. Além de ser indicada para melhorar o aspecto estético da mama, também é recomendada como recurso complementar no tratamento profilático de certas doenças da mama (casos especiais) e como prevenção de problemas causados por mamas muito grandes.

Você prestará uma inestimável colaboração a você mesma lendo com atenção as observações que faremos às inevitáveis perguntas que todas as candidatas à cirurgia de redução das mamas costumam fazer ao seu cirurgião plástico.


1. A CIRURGIA DE REDUÇÃO DAS MAMAS DEIXA CICATRIZES? Felizmente, esta cirurgia permite-nos deixar as cicatrizes bastante disfarçadas, o que é muito conveniente nos primeiros meses. Para melhor esclarecê-la sobre a evolução cicatricial, vamos relatar os diversos períodos pelos quais as cicatrizes inevitavelmente passarão:


a) PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto pouco visível. Alguns casos apresentam uma discreta reação aos pontos ou ao curativo;

b) PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 12º mês. Nesse período, há o espessamento natural da cicatriz, bem como se inicia uma mudança de cor para um tom mais escuro (do vermelho para o marrom) que vai, aos poucos, clareando. Esse período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais;

c) PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Nesse período, a cicatriz começa a ficar mais clara e menos consistente, atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia, no tocante à cicatriz, deverá ser feita após esse período.


2. ONDE SE LOCALIZAM AS CICATRIZES? Geralmente as cicatrizes são em formato de “T” invertido ou âncora, e cabem dentro do sutiã. Desde os primeiros dias pós-operatórios, a paciente poderá utilizar um “decote bastante generoso”, pois as cicatrizes ficam bastante disfarçadas. Com o decorrer do tempo (vide item anterior), as cicatrizes tornam-se menos visíveis.


3. OUVI DIZER QUE ALGUMAS PACIENTES FICAM COM CICATRIZES MUITO VISÍVEIS. Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertrófica ou ao queloide. Essa tendência, entretanto, poderá ser avaliada, até certo ponto, durante a consulta inicial, quando são feitas uma série de perguntas sobre sua vida clínica pregressa, bem como a análise das características familiares, que muito nos ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Geralmente, pessoas de pele clara não tendem a essa complicação cicatricial. Pessoas de pele morena têm maior predisposição ao queloide ou à cicatriz hipertrófica. Isso, entretanto, não é uma regra absoluta. A análise dos antecedentes, como já dissemos, facilitará o prognóstico cicatricial, assim como a análise de eventuais cicatrizes prévias.


4. EXISTE CORREÇÃO PARA AS CICATRIZES HIPERTRÓFICAS E QUELOIDES? Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas na época adequada. Não se deve confundir, entretanto, com a evolução natural do período mediato da cicatrização. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução cicatricial deverá ser esclarecida com o seu cirurgião, que fará a avaliação do estado em que se encontra a cicatriz.


5. COMO FICARÃO MINHAS NOVAS MAMAS, EM RELAÇÃO AO TAMANHO E À CONSISTÊNCIA? As mamas terão seu volume diminuído através da cirurgia, melhorando sua consistência e forma com a intervenção cirúrgica. Deverá existir uma harmonia entre o volume das mamas e o tamanho do tórax, característica essa que deve ser preservada no planejamento da cirurgia. Deverão ser mantidas as proporções entre o volume da nova mama e o tamanho do tórax de cada paciente, a fim de se obter uma maior harmonia estética. A mama, assim operada, passará por vários períodos evolutivos:


a) PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia. Nesse período, apesar de as mamas se apresentarem com aspecto bastante melhorado, sua forma e volume ainda estarão aquém do resultado planejado. Lembre-se desta observação: NENHUMA MAMA SERÁ “PERFEITA” NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO;

b) PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o terceiro mês. Nesse período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva. É característico desse período um maior ou menor grau de “inchaço” das mamas. Além disso, o aspecto cicatricial encontra-se em plena fase de transição (ver item 1). Apesar da euforia da maioria das paciente já nesse período, costumamos dizer que o resultado ficará ainda melhor, pois essa será a característica do período tardio;

c) PERÍODO TARDIO: Vai do terceiro até o 18º mês. É o período em que a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade, etc.) É nesse período que costumamos fotografar os casos operados, a fim de compará-los com o aspecto pré-operatório de cada paciente. Tem grande importância no resultado final o grau de elasticidade da pele das mamas. O equilíbrio entre ambos varia de caso para caso. Vai do terceiro até o 18º mês.


6. EM QUANTO TEMPO ATINGIREI O RESULTADO DEFINITIVO? Apesar de o resultado imediato ser muito bom, é somente na fase mencionada como “período tardio” (vide item anterior) que as mamas atingirão sua forma definitiva.


7. QUAL TIPO DE MAIÔ DE BANHO PODEREI USAR APÓS A CIRURGIA? No período imediato, mediato ou tardio, poderá ser usado qualquer tipo de maiô, de uma ou duas peças, desde que a peça superior não fique muito justa. É claro que, após o amadurecimento das cicatrizes, os maiôs poderão ser mais “generosos”, de acordo com seu critério.


8. NO CASO DE NOVA GRAVIDEZ, O RESULTADO PERMANECERÁ OU FICARÁ PREJUDICADO? O seu ginecologista a informará sobre a conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que esse especialista controle seu aumento de peso na nova gestação.


9. O PÓS-OPERATÓRIO DESTA CIRURGIA É DOLOROSO? Geralmente NÃO. Este pós-operatório é bastante confortável, desde que você obedeça às instruções médicas, principalmente no que tange à movimentação dos braços nos primeiros dias. Eventualmente, poderá ocorrer manifestação dolorosa, que facilmente cederá com os analgésicos receitados pelo seu médico. Evite a automedicação.


10. HÁ PERIGO NESTA OPERAÇÃO? Raramente a cirurgia plástica das mamas determina sérias complicações. Isso se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente, além de ponderarmos sobre as possíveis eventuais complicações.


11. QUAL O TIPO DE ANESTESIA UTILIZADA? Anestesia local com sedação, peridural ou geral, dependendo do caso.


12. QUANTO TEMPO DURA O ATO CIRÚRGICO? Em média, de 90 minutos até duas horas e meia, se necessário for. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência da paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois essa permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá informá-la quanto ao tempo total.


13. QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO? De 12 a 24 horas.


14. SÃO UTILIZADOS CURATIVOS? Sim, curativos elásticos e modelantes, especialmente adaptados a cada tipo de mama. Serão trocados inicialmente pela equipe cirúrgica.


15. QUANDO SERÃO RETIRADOS OS PONTOS? Geralmente são utilizados pontos que serão retirados em torno de duas semanas após a operação.


16. QUANDO PODEREI TOMAR BANHO COMPLETO? No dia seguinte, sem molhar a área operada. O banho completo será liberado em torno do décimo dia.


17. QUAL A EVOLUÇÃO PÓS-OPERATÓRIA? Você não deve se esquecer de que, até que se atinja o resultado almejado, as mamas passarão por diversas fases (vide itens 1 e 5). Se lhe ocorrer uma preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado definitivo antes do previsto”, não faça disso motivo de sofrimento. Tenha paciência, pois seu organismo se encarregará espontaneamente de dissipar todos os transtornos imediatos que, inevitavelmente, chamarão a atenção de alguma pessoa que não se furtará à observação.


18. SERÁ QUE ISTO VAI DESAPARECER MESMO? É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu médico, que lhe dará os esclarecimentos necessários para sua tranquilidade.


19. QUANDO PODEREI RETORNAR A MINHA GINÁSTICA? Depende do tipo de exercícios. Aqueles relativos aos membros inferiores poderão ser reiniciados em uma semana, evitando-se o “alto impacto”. Para exercícios que envolvam o tórax deve-se aguardar, geralmente, de 45 a 60 dias.


20. RECOMENDAÇÕES SOBRE A CIRURGIA PLÁSTICA DE REDUÇÃO MAMÁRIA.


RECOMENDAÇÕES PRÉ-OPERATÓRIAS: 1. Comunicar-se conosco até a véspera da operação em caso de gripe, indisposição ou febre; 2. Internar-se no hospital ou clínica indicada, obedecendo ao horário estabelecido; 3. Evitar bebidas alcoólicas ou refeições muito lautas na véspera da cirurgia; 4. Evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer que eventualmente esteja utilizando, por um período de dez dias antes do ato cirúrgico. Isso inclui também certos diuréticos; 5. Programe suas atividades sociais, domésticas, profissionais ou escolares, de modo a não se tornar indispensável a terceiros por um período de aproximadamente quatro dias.


RECOMENDAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS: 1. Evitar esforços nos oito primeiros dias; 2. Não movimentar os braços em excesso. Obedeça às instruções que lhe serão dadas por ocasião da alta hospitalar, relativas à movimentação dos membros superiores ou massagens; 3. Evitar molhar o curativo até que seja autorizada a fazê-lo; 4. Não se expor ao sol ou ao frio, até segunda ordem; 5. Obedecer à prescrição médica; 6. Alimentação normal (salvo em casos específicos, que receberão a devida orientação) a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas (carnes, leite, ovos) e vitaminas (frutas); 7. Voltar ao consultório para curativos subsequentes, nos dias e horários estipulados; 8. Provavelmente você estará se sentindo tão bem a ponto de pensar em realizar certos atos pouco adequados. Cuidado! Essa euforia poderá levá-la a um esforço inoportuno, o que determinará certos transtornos; 9. Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases. Tire com seu cirurgião plástico, e somente com ele, as suas eventuais dúvidas.


Observação importante: Por determinação expressa em Resolução do Conselho Federal de Medicina e ainda pelo Regimento Interno da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, fica PROIBIDA a apresentação de casos com fotografias de pacientes em pré e pós-operatório, independentemente de se poder identificar a pessoa ou não, mesmo que haja a autorização expressa das mesmas. Justificamos, portanto, a não apresentação de tais imagens, e acreditamos que a maior compreensão dos possíveis resultados somente poderá ser atingida durante a consulta médica.

21 visualizações

(48) 3223-8522

(48) 98428-5678
(48) 3222-4202